Vida sem Fronteiras - Mindset. Bem-Estar. Suce$$❤

Episódio 2 - Mentalidade de Imigrante - Você tem fome de que? Tem entrevista diretamente de Lisboa

November 15, 2019 Siglia Diniz entrevista/ Lucia Fallavena Season 1 Episode 2
Vida sem Fronteiras - Mindset. Bem-Estar. Suce$$❤
Episódio 2 - Mentalidade de Imigrante - Você tem fome de que? Tem entrevista diretamente de Lisboa
Chapters
Vida sem Fronteiras - Mindset. Bem-Estar. Suce$$❤
Episódio 2 - Mentalidade de Imigrante - Você tem fome de que? Tem entrevista diretamente de Lisboa
Nov 15, 2019 Season 1 Episode 2
Siglia Diniz entrevista/ Lucia Fallavena

Bem vindos ao episódio 2 - Mentalidade de Imigrante – Você tem fome de que?

Eu sou Siglia Diniz, médica, profissional de saúde pública e mentora/consultora de vida e business para ajudar pessoas em fase de transição a alcançarem bem-estar emocional e profissional. E você pode encontrar informação sobre mim aqui: https://www.drasigliadiniz.com/

Esse podcast fala sobre ideias e soluções para expandir a vida, a mentalidade e os horizontes e com isso viver uma vida sem fronteiras, especialmente pra quem mora fora do Brasil ou para aqueles que intencionam dar uma guinada na vida. 

Nesse episódio eu converso com Lucia Fallavena, publicitária e empresária que mora em Lisboa. Você pode encontrar informação sobre ela e sua agência ‘Who runs the words’ aqui: https://whorunsthewords.com

A entrevista começa por volta de 6min 40seg.

Que bom que você está aqui, mas antes de conversarmos eu vou introduzir o assunto sobre mentalidade de imigrante.

A mentalidade do imigrante é diferente, pois o ‘drive’, ou seja, a motivação pra fazer a vida acontecer no novo ambiente é muito forte e focada na vontade de vencer.


Converso aqui sobre alguns aspectos desse tipo de mentalidade e trago reflexões que ajudarão a qualquer um que esteja no exterior ou planejando alguma mudança significativa.


Eu também incluí os versos da música ‘‘Comida’ dos titãs como um gancho para lembrar que os motivos de uma imigração são muito mais profundos do que o motivo inicial e aparente. E essa letra diz muito sobre isso:


“... A gente não quer só comida
 A gente quer comida
 Diversão e arte
 A gente não quer só comida
 A gente quer saída
 Para qualquer parte

A gente não quer só comida
 A gente quer bebida
 Diversão, balé
 A gente não quer só comida
 A gente quer a vida
 Como a vida quer ...”



E eu gosto desses versos porque imigração ou mudanças significativas na vida, nunca são pelo o que parece ser … pois a gente não quer só comida, só fugir da violência do Brasil ou outros problemas, ou só ganhar dinheiro, e assim por diante, a vida é grande demais e as razões são muitas e quanto mais identificarmos isso em nós mesmos, melhor será a nossa mentalidade (mindset) e visão para a saída do Brasil ou a guinada na vida do jeito que buscamos. 


Gary Vaynerchuk (Vee), afluente empresário americano e imigrante russo erradicado nos Estados Unidos, em um video disse que seria ótimo se todos tivessem mentalidade de imigrante, e eu super concordo ocom o que ele diz pois tem há ver com minha estória e com a de muitos que conheço, e não apenas brasileiros. Conforme Gary Vee diz, nos EUA, ser imigrante é uma vantagem porque os imigrantes têm fome de fazer a nova vida acontecer, há outro nível de apreciação pela oportunidade, porque o imigrante tem uma razão muito forte pra mudar de país e há um olhar diferente para a vida do dia a dia. E isso não é apenas nos EUA, mas em todo lugar.


Como parte do sucesso de um imigrante, não pode haver tolerância para reclamações. E quando eu falo sobre isso eu estou dizendo que logicamente é importante identificar o que não está funcionando, é ok ficar frustrado ou chateado mas não é ok usar a dificuldade para focar em reclamação. Lembra que reclamar é basicamente re-clamar, ou seja voce está clamando por aquilo que não mais lhe satisfaz. E isso não é uma questão de semântica mas palavras tem poder e portanto, reclamar produz uma atmosfera mental e energética pra trazer de volta o que lhe desagrada e o que lhe frustra, pois ao falar incessantemente sobre o problema, vocês o está vivenciando e trazendo de volta pra sua vida.


Então para aqueles que se&

Show Notes

Bem vindos ao episódio 2 - Mentalidade de Imigrante – Você tem fome de que?

Eu sou Siglia Diniz, médica, profissional de saúde pública e mentora/consultora de vida e business para ajudar pessoas em fase de transição a alcançarem bem-estar emocional e profissional. E você pode encontrar informação sobre mim aqui: https://www.drasigliadiniz.com/

Esse podcast fala sobre ideias e soluções para expandir a vida, a mentalidade e os horizontes e com isso viver uma vida sem fronteiras, especialmente pra quem mora fora do Brasil ou para aqueles que intencionam dar uma guinada na vida. 

Nesse episódio eu converso com Lucia Fallavena, publicitária e empresária que mora em Lisboa. Você pode encontrar informação sobre ela e sua agência ‘Who runs the words’ aqui: https://whorunsthewords.com

A entrevista começa por volta de 6min 40seg.

Que bom que você está aqui, mas antes de conversarmos eu vou introduzir o assunto sobre mentalidade de imigrante.

A mentalidade do imigrante é diferente, pois o ‘drive’, ou seja, a motivação pra fazer a vida acontecer no novo ambiente é muito forte e focada na vontade de vencer.


Converso aqui sobre alguns aspectos desse tipo de mentalidade e trago reflexões que ajudarão a qualquer um que esteja no exterior ou planejando alguma mudança significativa.


Eu também incluí os versos da música ‘‘Comida’ dos titãs como um gancho para lembrar que os motivos de uma imigração são muito mais profundos do que o motivo inicial e aparente. E essa letra diz muito sobre isso:


“... A gente não quer só comida
 A gente quer comida
 Diversão e arte
 A gente não quer só comida
 A gente quer saída
 Para qualquer parte

A gente não quer só comida
 A gente quer bebida
 Diversão, balé
 A gente não quer só comida
 A gente quer a vida
 Como a vida quer ...”



E eu gosto desses versos porque imigração ou mudanças significativas na vida, nunca são pelo o que parece ser … pois a gente não quer só comida, só fugir da violência do Brasil ou outros problemas, ou só ganhar dinheiro, e assim por diante, a vida é grande demais e as razões são muitas e quanto mais identificarmos isso em nós mesmos, melhor será a nossa mentalidade (mindset) e visão para a saída do Brasil ou a guinada na vida do jeito que buscamos. 


Gary Vaynerchuk (Vee), afluente empresário americano e imigrante russo erradicado nos Estados Unidos, em um video disse que seria ótimo se todos tivessem mentalidade de imigrante, e eu super concordo ocom o que ele diz pois tem há ver com minha estória e com a de muitos que conheço, e não apenas brasileiros. Conforme Gary Vee diz, nos EUA, ser imigrante é uma vantagem porque os imigrantes têm fome de fazer a nova vida acontecer, há outro nível de apreciação pela oportunidade, porque o imigrante tem uma razão muito forte pra mudar de país e há um olhar diferente para a vida do dia a dia. E isso não é apenas nos EUA, mas em todo lugar.


Como parte do sucesso de um imigrante, não pode haver tolerância para reclamações. E quando eu falo sobre isso eu estou dizendo que logicamente é importante identificar o que não está funcionando, é ok ficar frustrado ou chateado mas não é ok usar a dificuldade para focar em reclamação. Lembra que reclamar é basicamente re-clamar, ou seja voce está clamando por aquilo que não mais lhe satisfaz. E isso não é uma questão de semântica mas palavras tem poder e portanto, reclamar produz uma atmosfera mental e energética pra trazer de volta o que lhe desagrada e o que lhe frustra, pois ao falar in

Support the show (https://www.drasigliadiniz.com/newsletter)